×

Corrigir

Monarca Sem Sobrenome

Xiru Missioneiro

Falado:

Olha bem pra esse índio taura mateando junto ao borraio,
Judiado pelo trablho da dura lida campeira, mais parece uma trincheira
Marcada de lança e bala, errodilhado no pala, ouvindo o chio da chaleira.
Este é o meu rio grande sentado na banca do galpão,
Xirú de mil profissão sem ser alfabetizado
E aquele rosto enrugado dos manotaço da idade,
que lhe deixaram saudade Do tempo que hoje é passado

Cantado:

Tudo que sei neste mundo aprendi com este cristão
Desde a gaita de botão domar potro, laçar toro
Trançar corda, sová couro, guarda-fogo na estância
Copiando sua própria infância criava guaxo com souro

Um naco de raça bugra cruza de índio charrua
Um galo de bico impura brigou por este torrão
Peleando calçou o garrão defendendo esta fronteira
Quando raças estrangeiras quiseram tomar este chão

Monarca sem sobrenome sem registro ou documento
Livre como o próprio vento forjou seu próprio destino
Sem tempo de ser teatino só hoje em dia tá vendo
Que os anos passou correndo e cresceu sem ser menino

Anoitece vai pro ninho, levanta ao cantar do galo
Vai recolher os cavalos, deixa a chaleira esquentando
Quando o dia vem clareando, trouxe o gado pro rodeio
De pingo alçado no freio ouvindo a tropa berrando.


Veja também



Mais tocadas

Ouvir Xiru Missioneiro Ouvir